acompanhamento

Ratatouille do Ratatouille

Posted by on set 29, 2009 in acompanhamento, vegetariano
No Comments

Apesar de ser de origem francês, este prato deve ser classificado em cozinha americana, se quero conservar meus amigos franceses. Todo mundo já viu o filme “Ratatouille”, certo? Pois, este prato é aquele que o Ratatouille faz e que faz desmaiar o crítico gastrônomo. Pode ser uma receita francês, mas foi totalmente reinventada pela equipe da Pixar. Mas, o fato é que ficou delicioso.Ficamos intrigados após ver o filme, e tentamos copiar. Se você procurar por “Ratatouille” no google imagens, você verá que muita gente teve a mesma ideia. É muito simples:

  • 5 ou 6 tomates
  • 2 abobrinhas
  • 2 berinjelas pequenas
  • azeite de oliva
  • 1 caixinha de puré de tomate
  • sal

Despeja um pouco de puré de tomate no fundo de uma assadeira. Corte todos os legumes em fatias, e dispõe na assadeira, verticalmente, uma fatia de tomate, uma fatia de abobrinha, uma fatia de berinjela, assim por diante até encher o prato todo. Não tenha medo de deixar tudo bem apertado, ficará melhor. Despeja uma pitada de sal, mais um pouco de molho de tomate, e um fio de azeite. Cubra com um papel alumínio, e coloque em forno quente (> 250°C) por 35 minutos.

Enrolado de carne com molho de laranja e vinho, risotto de pimentão amarelo e alho poró

Posted by on set 23, 2009 in acompanhamento, carnes, prato principal, vegetariano
No Comments

Achei que seria legal instaurar uma nova categoria com menus completos e “despretensiosos” que às vezes, por acaso, inventamos. Este aqui nasceu de um erro; pensamos assar uma carne, fomos no açougue aqui em baixo de casa, pedi um pedaço de coxão mole, e, como sempre acontece nesse açougue, o cara cortou o pedaço de um jeito totalmente estranho. Em vez de fazer um pedação, para assar, ele fez um enorme bife de 1kg, de 2cm de espessura.

Mas isso permitiu algo bem legal. Coloquei vários legumes cortados em cima do bifão, flor de sal, enrolei tudo e amarrei com barbante. A carne ficou absolutamente deliciosa. A Maíra fez um risotto incrível, e deu no que deu. Para 4 pessoas, precisaremos de:

  • 1 pedaço de coxão mole de 1kg, se possível uma única grande fatia de 2cm de espessura
  • 1 ou 2 cenouras
  • 1 pepino japonês
  • 1 cebola
  • 2 colheres de sopa de alho triturado
  • 2 colheres de sopa de flor de sal, ou de sal grosso
  • 2 laranjas
  • 1 copo de vinho tinto seco
  • 1 xícara e meia de arroz
  • 1 alho poró
  • 1 pimentão amarelo
  • Rúcula ou agrião (ou um mix dos dois)
  • 1 colher de sopa de farinha
  • Azeite de oliva
  • Queijo parmesão ralado

A carne

Corte as cenouras, o pepino e a cebola em palitos. Abra a carne na forma de assar, e espalhe metade do sal nela. Coloque os legumes em cima, e espalhe o alho por cima de tudo. Feche a carne por cima, amarrando com barbante. Se quiser despeje um fio de azeite de oliva em cima, e espalhe o resto do sal. Asse em forno bem quente (>250°C) por 40 minutos ou até que o topo da carne fique bem dourado.

O molho de laranja e vinho

Esprema duas laranjas, coloque o suco em uma panela junto com o vinho. Ferva e deixe reduzir. Quando diminuir bem, acrescente uma ou duas colheres de chá de farinha, mexa bem para desmanchar a farinha e deixe engrossar mais um pouco. Despeje o molho em cima da carne na hora de servir.

O risotto de pimentão e alho poró

Pique o pimentão amarelo e o alho poró bem finos, e refogue com azeite de oliva. Coloque uma xícara e meio de arroz, frite um pouquinho junto, acrescente água aos poucos e cozinhe até o arroz ficar bem macio. Quando estiver pronto, acrescente queijo parmesão ralado a gosto, e misture.

Acompanhamos isso tudo com um mix de rúcula e agrião, e uma garrafa de um excelente vinho de Alentejo chamado Monsaraz.

Salade liégeoise

Posted by on set 20, 2009 in acompanhamento, carnes
No Comments

Esta receita é extremamente fácil e rápida, deliciosa e bem diferente. Só não se deixe enganar pelo termo “salada”, de light não tem nada. Para 4 pessoas, você precisará de:

  • 800 g a 1 Kg de batatas
  • 400g de vagens
  • 200g de bacon em pedaços grandes
  • 1 pé de alface
  • vinagre branco
  • sal e pimenta de reino

Lave e corte as batatas com a casca em cubos grossos. Coloque em uma panela com uma colher de chá de sal, cubra de água e coloque para ferver. Lave e corte as extremidades das vagens. Após 10 minutos, mais ou menos na metade do cozimento das batatas, adicione as vagens na mesma água. Continue cozinhando por mais 10 minutos ou até que as batatas fiquem bem macias quando espetadas com uma faca. Escorra e reserve.

Corte o bacon em pedacinhos e frite em uma frigideira. Quando estão bem croquantes, despeje eles com a gordura em cima das batatas e vagens. Coloque uma boa meia-xicara de vinagre na frigideira e, mantendo no fogo, mexa por um minuto para que o vinagre dissolva bem todos os sucos de cozimento do bacon. Despeja também junto ao resto.

Deixe o todo esfriar um pouco, lave as folhas de alface e corte elas em 2 ou 3 partes, e misture tudo junto. Sirva morno, e acompanhe com uma cerveja boa, de preferência especial. De preferência belga. De preferência uma Chimay.

Sopa de Pimentões da Gaëtane

Posted by on maio 25, 2009 in acompanhamento, entradas, vegetariano, vegetariano
No Comments


Essa sopinha é tudo de bom! Usa pimentões vermelhos e amarelos,
fica com uma cor linda, e é rica em vitamina C. Perfeita para uma noite fria com os amigos, como prato principal ou entrada.
Nós calculamos em média 1 pimentão e meio por pessoa, dos grandes. E, para a matiz que gostamos, usamos 2 amarelos para cada vermelho (ou será o contrário?!). Então, vou dar as quantidades para 4 pessoas:

  • 4 pimentões amarelos grandes
  • 2 pimentões vermelhos grandes
  • 1 pote (200g) de queijo cremoso. Nós usamos este:


Limpe os pimentões, tirando o talo verde e as partes brancas de dentro, bem como as sementes. Coloque as polpas coloridas em uma panela, cubra com água e leve ao fogo. Cozinhe até ficarem macias ao espetar um garfo.
Coloque no liquidificador os pimentões, a água (Vá colocando aos poucos, pois não precisa ser toda. Isso vai variar a cremosidade, portanto, depende do gosto de cada um. ) e o queijo cremoso. Bata até ficar homeogêneo, e retorne à panela para aquecer novamente ( o queijo está frio, lembra?) e acertar o tempero, com sal (nós nem usamos) e pimenta-do-reino.
Se você tiver um raminho de salsinha para enfeitar, vai ficar uma pintura! Nós servimos com pão ou torradas.
Bom apetite!

Você sabia?O pimentão é rico em vitaminas e sais minerais, especialmente ácido fólico, potássio, e vitaminas A, E e C. Algumas pessoas acham o fruto indigesto, mas isso é relatado principalmente em relação ao pimentão verde, e pode ser evitado utilizando-o sem a pele. Prefira sempre os orgânicos, que não acumulam agrotóxicos.

Nhoques de Banana da Terra na manteiga de ervas

Posted by on maio 18, 2009 in acompanhamento, prato principal, vegetariano, vegetariano
No Comments

Só porque era a única que não tinha postado nenhuma receita até agora é que logo estreio com duas!
Degustei este prato no restaurante Sinhá em Pinheiros, e pensei – “Não deve ser tão dificil de fazer. O que não é facil é achar banana-da-terra.” Mas errei, só ir na feira de produtos orgânicos no Parque da Agua Branca, aos sábados e você acha!

Bom, como eles fazem exatamente não sei, mas como fizemos, deu certo. Para umas 6 pessoas comilonas utilizamos:

  • Uma penca de umas 10 bananas-da-terra verdes (será que soa redundante, ou existem maduras?)
  • 3 ovos
  • Farinha quantidade necessária – deu umas duas canecas, mais o menos
  • Sal e pimenta do reino– aquele toque
  • Manteigaumas 100 g
  • Estragón, tomilho e, não usamos mas ficou bom quando aquela vez, sálvia.

Se descascam as bananas com uma faca bem afiada e se colocam na água fervendo até conseguir espetar elas com um garfo facilmente.
Uma vez macias, se amassam com um garfo forte, até ficar um puré. Pode se acrescentar um pouco de manteiga pra ajudar. É, mesmo assim elas são um pouco duras. Colocar os ovos um a um, e continuar amassando o puré. Neste ponto é que espolvoreio o sal e dou aquela girada legal no moedor de pimenta.

Por último, ir misturando a farinha, aos poucos, até ficar uma massa firme, pero sin perder la ternura jamás. Cortar pequenas porções de massa e formar aqueles rolinhos típicos dos nhoques. Cortar eles não muito grandes, melhor pequenos até, porque são mais durinhos dos que de batatas.

Cozinhar eles por partes, em abundante água fervendo, tirar com escumadeira e colocar já numa travessa pra levar à mesa. Nesse momento derreter uma parte da manteiga na frigideira, refogar rápidamente as ervas e acrescentar o restante da manteiga para derreter. Jorrar em cima dos nhoques , mais sal e mais um rolé de pimenta a gosto e glup!

Nós acompanhamos o plato, e ficou muito bom, com linguiças assadas. Mas também pode ser uma carne grelhada, uma salada verde, uma carne seca desfiada na manteiga de garrafa… enfim, experimente e deixe liberada sua imaginação!

Torta de pimentões e ervas

Posted by on abr 27, 2009 in acompanhamento, lanche, salgados, vegetariano
One Comment

Essa tortinha mais parece uma pizza, e também é perfeita pra servir em pequenos pedaços em confraternizações descontraídas. Pelo menos é assim que eu uso, mas acho que serve também para uma boa entrada.
Primeiro, preparamos a massa:

  • 2 xíc. de farinha de trigo
  • 1 colher de sopa de fermento em pó
  • 150 ml de leite
  • 1 gema
  • sal a gosto ( sugestão: 1 colher de chá rasa)

Misture numa tigela a farinha, o sal e o fermento. Dissolva a gema no leite e vá acrescentando à farinha. Misture bem com uma colher por uns 5 minutos, e depois transfira para uma superfície enfarinhada para sovar. Sove até que fique macia e elástica, e então deixe crescer por uma hora numa tigela untada, em algum lugar aquecido. Eu coloco no forno, que embora esteja ainda desligado, ficará morninho com o preparo que acontece em cima: a cobertura.
Você vai precisar de:

  • 2 pimentões amarelos grandes
  • 2 pimentões vermelhos grandes
  • 4 cebolas grandes
  • azeite de oliva
  • ervas frescas, 2 ou 3 variedades (tomilho, orégano, salsinha, sálvia, manjerona… eu não dispenso o tomilho!)

Descasque e pique, em tiras finas, os pimentões e as cebolas. Pique também as ervas. Coloque tudo para cozinhar em fogo moderado, com três colheres de um bom azeite numa frigideira. A mistura não deve dourar, portanto, fique de olho: se for preciso, acrescente colheradas de água.
A cobertura ficará no fogo cerca de 30 minutos, até que os legumes estejam macios. O aroma pela casa será inebriante!

Com a cobertura pronta, vamos abrir a massa já crescida e montar a torta. Agora é o momento de ligar o forno, para pré-aquecer. Mas tire a tigela de dentro!!
Abra a massa com um rolo numa superfície enfarinhada, até ficar do tamanho da forma (cerca de 30 cm de diâmetro). (O ideal é que fique um pouquinho maior que a fôrma, para poder fazer uma bordinha, uma parte particularmente deliciosa da torta!) É um pouco difícil, por sua qualidade “elástica”. Ela teimará em encolher! Mas quando conseguir, transfira com cuidado para a forma untada, e fure-a com um garfo.

Cubra com o refogado de pimentões, regue com mais azeite, e leve ao forno por 25 a 30 minutos, até que esteja crescida e crocante! Sirva quente, com uma taça de vinho. Que tal?

Variações. Dois toques especiais já testados e aprovados, para agradar a paladares diferentes:

  • cubra a torta com alguns filés de anchovas – para as pessoas e os dias que combinam com o bem salgado;
  • salpique passas pretas – para as pessoas ou os dias que pedem um toque mais doce.

Bolinhos de sardinha

Posted by on abr 18, 2009 in acompanhamento, entradas, peixes, peixes
No Comments

Esta receita marroquina é fácil de fazer e fica deliciosa. São bolinhos feitos com sardinhas frescas e muito tempero, que cozinham num molho de tomates. Acompanhe com arroz ou, melhor, cuscuz marroquino. As quantidades abaixo são para 4 pessoas.

Os bolinhos

Corte a cabeça, o rabo, e limpe bem 500 a 600g de sardinhas frescas. As vezes você encontra elas já abertas e sem cabeça, facilita. Coloque numa saladeira. Adicione 2 colheres de sopa de alho triturado, 1 colher de sopa de paprika doce, 1 colher de sopa de cominho, uma colher de chá de pimenta preta, uma boa pitada de sal, e o suco de um meio limão. Triture com um pilão até formar uma massa. Forme bolinhos pegando um punhado da mistura e pressionando com a mão. Aquece um fundo de óleo em uma panela, e frite rapidamente os bolinhos, 3 ou 4 minutos de cada lado, apenas para eles não se desmanchar depois. Reserve.

O molho

Bate 5 ou 6 tomates cortados em cubos, uma cebola descascada e cortada grossa, e uma colher de sopa de salsa picada (ou mais se preferir) no liquidificador. Coloque a mistura numa panela, com uma xicara de água e uma pitada de sal. Deixe ferver com panela tampada por 15 minutos, coloque mais um pouco de água se ficou pouco molho, e coloque no molho os bolinhos. Não mexe mais, para evitar que eles quebrem. Apenas vire eles uma vez no meio do cozimento para que eles cozinhem por igual. Cozinhe por 5 a 10 minutos com a panela semi tampada.

Gratin Dauphinois

Posted by on abr 11, 2009 in acompanhamento, vegetariano
One Comment

Este é um prato muito, muito simples de se fazer, e um grande clássico da cozinha francesa. Se trata de um gratin, ou seja, um prato gratinado, de batatas, creme de leite e alho. Fica ótimo como acompanhamento para algum prato de carne. Você precisará, para 4 pessoas, de 2 ou 3 kg de batatas (o que couber na sua assadeira), uma caixinha (mais ou menos 200g) de creme de leite, alguns dentes de alho esmagadas ou duas colheres de sopa de alho triturado, e 300g de queijo mussarela (ou prato).
Comece por colocar um fundo de leite ou de azeite no fundo da assadeira. Ligue o forno bem alto, em torno de 250°C. Descasque as batatas, e corte elas em fatias finas. Dispõe na assadeira. A cada 2 ou 3 batatas, espalhe uma colher de sopa de alho esmagado e uma pitada de sal.
Continue assim até encher o prato. No fim, despeje o creme de leite, o resto do alho e uma pitada de noz moscada.Por cima, coloque o queijo, em fatias, em pedaços ou ralado, pouco importa. O importante é cobrir o prato por igual. Coloque no forno por 50 minutos. Verifique que a batata esteja bem cozida enfiando uma faca no prato, se tem a consistência que você imagina que deveria ter, então significa que está pronto. Bon appétit!

Nota: Se você quer fazer este prato mais rapidamente, pode cozinhar as fatias de batata por 15 minutos em água fervente antes de colocar na assadeira. Ai, só precisará ficar no forno uns 20 minutos, para gratinar o queijo. Mas não fica tão bom!